Seu condomínio possui uma área ao ar livre pouco utilizada? Pode ser uma boa ideia transformá-la numa área de lazer! Bons argumentos não faltam: valorização do patrimônio, maior segurança para os moradores, integração das pessoas (promovendo laços de amizades, o que é benéfico para o clima do condomínio). O uso destas áreas pode ser restringido nos horários de silêncio se apartamentos próximos tiverem o potencial de serem incomodados pelo barulho.

Sugestões de itens para esta área não faltam, você pode colocar bancos confortáveis, coberturas para proteção do sol, balanços, escorregadores, etc. Além de deixar mais bonito e valorizado, seu condomínio acaba tendo espaços mais úteis para seus moradores. Mas atenção: se pensou em uma piscina nesta área, cuidado! Seus custos de manutenção têm o potencial de aumentar muito o valor da taxa de condomínio. Portanto, a relação custo x benefício pode não ser atrativa.

É obrigatório a administração levar o assunto para uma assembleia. O ideal é fazer duas reuniões: uma para coletar as sugestões e outra para a apresentação e avaliação das propostas. Faça, no mínimo, 3 cotações, peça referências e exija por escrito: uma planta baixa para ilustrar a futura área, valores, condições de pagamento, garantias, prazos e as datas para início e fim previstas para a execução. Se a obra requerer instalações específicas que envolvam gás, eletricidade e/ou hidráulica, talvez você precise da elaboração de um documento adicional chamado ART (Anotação de Responsabilidade Técnica). Não se assuste. Profissionais de empresas de reformas, engenharia e arquitetura já estão acostumados com este documento. Ele é uma segurança para o contratado e, principalmente, para a contratante.